Category : Inbound Marketing

Automação de Marketing Inbound Marketing

Usando o Bulldesk para começar sua estratégia de inbound marketing

Uma estratégia de inbound marketing bem planejada precisa de um suporte tecnológico de primeira, isto é, uma boa ferramenta de automação de marketing.

Confira agora como usar o Bulldesk para colocar sua estratégia de inbound marketing para rodar!

Criando formulários

O marketing de atração se baseia na conquista do interesse das pessoas e na troca de conteúdos relevantes por dados. É por esse motivo que o primeiro passo para começar sua estratégia de inbound marketing com o Bulldesk é criar formulários inteligentes para captura desses dados.

Acesse sua conta do Bulldesk, vá até o menu Marketing e clique em Formulários. Na sequência, clique em Novo Formulário.

Selecione os campos que você deseja inserir no formulário e preencha as informações requisitadas. Simples assim.

Criando landing pages

Landing page ou página de captura é uma espécie de hotsite onde você promove um material rico, como um e-book, por exemplo. É a partir dela que as pessoas fazem download desse material e enviam para a sua empresa dados de contato, como nome e e-mail.

No Bulldesk, é muito fácil criar suas landing pages. Acesse sua conta e vá até o menu Marketing. Em seguida, clique em Landing Pages. Na sequência, clique em Nova Landing Page.

Você pode escolher um entre os vários modelos de landing pages disponíveis ou então criar um template totalmente exclusivo para a sua empresa.

O Bulldesk disponibiliza uma ferramenta drag and drop (arraste e solte) para que você monte sua landing rapidamente.

Criando modelos de e-mails

Toda estratégia de inbound marketing também conta com fluxos de nutrição, que são sequências de e-mails enviados após o download de um material rico. Esses e-mails servem como complemento ao conteúdo baixado e têm por objetivo manter o vínculo com o lead conquistado.

O passo a passo para criar modelos de e-mails também é bastante simples e intuitivo. Acesse sua conta, vá até o menu Marketing e clique sobre Modelos de E-mails. Clique em Novo E-mail, selecione o template que você mais gostar e depois é só substituir as informações.

Criando campanhas

Depois de criar os modelos de e-mail que você deseja enviar para a sua audiência, é hora de criar as campanhas, ou fluxos de nutrição.

Acesse o menu Marketing e vá até Campanhas. Clique em Nova Campanha, dê um nome a ela e selecione a opção Automação de Marketing.

Defina os gatilhos (ações do usuário que farão com que a campanha seja acionada), o fluxo de ações (quais ações devem ser realizadas quando o gatilho for acionado) e defina o envio.

Pronto! Seu fluxo de automação de marketing já está pronto para funcionar.

Unindo os pontos

Explicando de uma forma simples como sua estratégia de inbound marketing vai funcionar, podemos dizer que você vai:

  • Criar um formulário para captura de dados;
  • Criar uma landing page e inserir o formulário criado anteriormente;
  • Publicar a landing page para que as pessoas possam acessá-la;
  • Vincular sua landing page a um conteúdo rico, como um infográfico, por exemplo, que será baixado pelos usuários;
  • Vincular sua campanha de automação de marketing à landing page criada, cujo formulário será o gatilho para o disparo do seu fluxo de nutrição;
  • Promover sua landing page no site, blog e redes sociais.

Quando os visitantes começarem a acessar sua landing page e preencher o formulário em troca do conteúdo rico, esses dados são armazenados pelo Bulldesk e, imediatamente, sua campanha é disparada para essas pessoas.

Tudo isso sem a necessidade de ninguém supervisionando. Gostou da ideia?

Então experimente na prática!

Leia mais
Inbound Marketing Sem categoria

Inbound marketing na fidelização de clientes: como aplicar?

pessoas sorrindo

Que manter clientes satisfeitos é essencial para o sucesso de qualquer negócio, você já sabe. Mas quão importante é essa estratégia?

Segundo dados da Forrester Research, custa até cinco vezes mais captar novos clientes do que manter os atuais felizes com a sua marca. Isso significa que a retenção de clientes pode gerar muito mais lucro para a sua empresa. Interessante, não é?

Então siga com a leitura e saiba como aplicar o inbound marketing na fidelização de clientes!

Crie conexão

Você já captou, nutriu e converteu o cliente. E agora, o que fazer para manter sua marca na mente e no coração dele?

Continue fazendo inbound marketing para fidelização de clientes!

Em vez de interromper o seu fluxo de nutrição, siga com um novo: o fluxo de fidelização. As mensagens devem ser personalizadas e focadas em ajudar seu cliente a aproveitar ao máximo a solução adquirida.

Estimule o engajamento

Pessoas engajadas com uma marca propagam suas mensagens para outros consumidores, especialmente se estão satisfeitas com a experiência que tiveram.

Nesse sentido, use o inbound marketing na fidelização de clientes nas redes sociais. Crie concursos, quizzes, jogos e outros tipos de conteúdos que incentivem a interação com a sua marca.

Ofereça mais valor

Que tal criar um espaço no seu blog com conteúdos exclusivos para clientes fiéis?

Aprofunde-se nos temas que são de maior importância para a sua audiência, produza entrevistas com personalidades do segmento e ofereça cursos gratuitos para quem valoriza a sua marca.

Mantenha-se no radar

Aplicar o inbound marketing na fidelização de clientes significa considerar essa estratégia um processo cíclico, que se reinicia constantemente. Em outras palavras, depois da primeira compra, considere que você tem que atrair, conquistar, reter e converter esse cliente novamente.

Para tanto, é necessário manter sua marca no radar dos seus clientes. Isso pode ser feito por meio de estratégias como o e-mail marketing, que entrega mensagens personalizadas e  sem intermediários entre sua empresa e seus clientes.

Foque na experiência do cliente

Experiência do cliente é o conjunto de percepções que um consumidor tem em relação à sua empresa. Ela é formada desde o primeiro até o último contato com a organização. Portanto, é fundamental ter o cliente no centro de todas as ações de marketing e vendas para que a experiência seja consistente.

Colocar o cliente no centro de todas as ações da marca significa pensar primeiro nas dificuldades que ele enfrenta. Em seguida, descobrir como sua empresa pode ajudar a superá-las. Então, desenvolver soluções que sejam efetivas nessa solução.

Essa estratégia de inbound marketing na fidelização de clientes engloba a experiência no site da empresa, a qualidade do conteúdo no blog, o atendimento on e offline, bem como a interação em redes sociais.

Pronto para aplicar o inbound marketing na fidelização de clientes? Não deixe de conferir Inbound Marketing: tudo o que você precisa saber para começar!

Leia mais
Inbound Marketing

Guia do Inbound Sales para Pequenas e Médias Empresas

pequenas-e-medias-empresas

Pequenas e Médias Empresas (PMEs) têm um desafio quando se trata de vendas: estar de acordo com as outras empresas que atuam no mesmo nicho e concorrer de forma simétrica. Para que isso aconteça, é necessário investir tempo para reunir a equipe e definir/refinar estratégias de marketing e vendas. Esse é o core de empresas que buscam leads e que trabalham com prospecção ativa. 

Nas últimas semanas, trabalhamos os conceitos de Inbound Sales aqui no blog, e você já ouviu falar da máxima que batemos sempre: alinhamento entre times de marketing e de vendas é o grande segredo para desenvolver um método eficaz, que traz leads através do conteúdo e que profissionaliza todas as etapas comerciais do seu time de vendas. 

O maior desafio é, sem dúvidas, aplicar o Inbound – tanto Marketing, quanto Sales – na sua empresa e, sendo pequena e/ou média o desafio é ainda maior. Por esse motivo, nós separamos um guia facilitado para o post de hoje. 

Como aplicar Inbound Sales em Pequenas e Médias Empresas? 

Antes de qualquer coisa, você deve identificar se seu time comercial é, de fato, um time que realiza prospecção ativa e se isso está de acordo com as suas expectativas de mercado. Nem sempre Pequenas e Médias Empresas realizam esse tipo de prospecção, por isso, vale a autoanálise. 

As famosas expectativas costumam criar um vácuo entre a sua realidade e o seu desejo de empresa, e isso acaba por arruinar todo o processo: o dono da empresa pressiona de um lado, e a equipe comercial não entrega do outro. É um cenário irredutível e que você não quer alcançar, certo? 

Para que isso não aconteça, sente com sua equipe comercial e visualize alguns passos: 

  1. Quantos clientes possuem hoje e quantos querem ter em três e seis meses?
  2. Qual o processo que utilizam para prospectá-los, quais os seus erros e acertos a partir desse processo?
  3. O que precisa ser modificado
  4. Como mudam a sua estratégia?
  5. Quantos de vocês conseguem flexibilizar as vendas para um novo modelo – e quantos precisam reaprender alguma etapa desse processo?
  6. Em quanto tempo essa transição será feita?

A partir desses questionamentos, você consegue criar um mapa didático desse processo – claro, trabalhando sempre com a realidade da sua empresa.

E como eu sei que o Inbound Sales não é para mim? 

Bom, vale dizer que essa ferramenta é aplicável para Pequenas e Médias Empresas de qualquer tamanho. A única “regra” é que você tenha, pelo menos, dois colaboradores trabalhando no seu time comercial, para que o trabalho seja descentralizado. 

Se você possui apenas um vendedor e ele faz o trabalho de filtro de clientes, a primeira abordagem, reúne informações antes da ligação e a efetua, você está fazendo Outbound Sales. Dessa forma, esse vendedor não conseguirá realizar o Inbound sozinho.

Para que o Inbound seja efetivo, você separa sua equipe em duas: pré-vendas e vendas (pode ser uma especialização para cada, respectivamente). O pré-vendas fica responsável por receber os clientes que chegam através da sua estratégia de marketing e filtrá-los (nem todos que chegam são próprios para sua empresa). Em seguida, com o fit identificado, ele faz o primeiro contato.

pequenas-e-medias-empresas

De forma que todos esses processos fiquem claros e definidos, nós preparamos uma lista com as tarefas de cada colaborador, ao decidir por uma estratégia de Inbound Sales em Pequenas e Médias Empresas

Equipe de Marketing:

  • Realiza reuniões de estratégias para definir a persona ideal e o tipo de conteúdo que irá produzir.
  • Define linguagem, traduz o posicionamento da marca nos canais de comunicação e trabalha em torno do melhor cenário possível para a empresa.
  • Realiza estudo de métricas e resultados para mensurar o trabalho realizado.
  • Faz adaptações e atualizações de conteúdo, sempre de acordo com os resultados obtidos.
  • Faz a sua parte, respondendo comentários em redes sociais, sites e blogs, tirando as dúvidas dos leads sobre o conteúdo entregue.
  • Realiza reuniões semanais, quinzenais ou (no máximo) mensais com o time comercial.

Pré-vendas: 

  • Recebe os leads que a equipe de Marketing entrega, seja através de comentários ou por ferramentas de Automação.
  • É responsável por filtrar os leads de forma geral.
  • Nutre os leads, tirando dúvidas e identificando se estão de acordo com a persona da empresa.
  • Realiza o primeiro contato, com um roteiro pré-definido, apresenta a empresa e levanta informações importantes do lead.
  • Bate o martelo sobre o lead (se tiver Automação, o lead scoring ajuda nesse processo) e define se ele ainda deve ser nutrido ou avançou no funil de vendas.
  • Nutre o lead (se necessário) ou o entrega para o vendedor.
  • Também pode devolver o lead para o time de Marketing, se não tiver fit algum. Com um roteiro definido, ele envolve o lead e diz que um novo contato acontecerá em breve.
  • Pode trabalhar em um sistema de metas, objetivos e recompensas.

Vendas: 

  • Responsável pela apresentação comercial da sua empresa para o lead. 
  • Colhe o máximo de informações de pré-vendas, recebendo um briefing completo do prospect.
  • É responsável por criar um roteiro de vendas que trabalhe a quebra de objeções.
  • Deve ensinar seu time sobre o aperfeiçoamento na hora de capturar medos, dores, crenças, desejos e sonhos dos leads, o que deve acontecer na etapa da nutrição.
  • Cria um “sistema” para trabalhar esses sentimentos na hora da venda, buscando o convencimento.
  • Usa gatilhos mentais para “induzir” a conversão.
  • Deve estar em constante treinamento e atualização, e é o principal representante da empresa. Deve ser um retrato do que o seu negócio prega.
  • Responsável por bater metas e trazer clientes.
  • Também pode trabalhar em um sistema de metas, objetivos e recompensas.

Todos juntos realizam o Inbound dos sonhos

Contudo, para que isso aconteça, você deve se certificar de que sua empresa ofereça um bom amparo a esses leads. Depois disso, eles devem continuar passando por situações positivas após serem convertidos a clientes.

Uma excelente forma que costuma ajudar (muito!) as equipes de Pequenas e Médias Empresas é, sem dúvidas, contratar uma ferramenta de Automação de Marketing e Vendas. Dessa forma, é possível sistematizar todas as informações importantes e facilita a visualização de todos os funis utilizados. Além de pontuar leads e melhorar a taxa de conversão.

Por fim, para entender melhor os conceitos sobre Inbound e Outbound, confira o post Inbound vs. Outbound Sales: entenda as diferenças.

Leia mais
Inbound Marketing Marketing Digital

Inbound vs. Outbound Sales: entenda as diferenças

outbound-sales

Estamos dedicando os últimos posts do blog do Bulldesk para falar de Inbound e Outbound Sales. Abordamos todos os conceitos que envolvem essas duas metodologias de vendas.

Todo e qualquer processo de vendas de uma empresa é sempre a ferramenta principal de trabalho de uma equipe de vendas comprometida com o sucesso comercial do seu negócio. Com essas duas metodologias, você deve compreender o seu negócio, estudar a sua empresa e os resultados. Além de traçar objetivos para identificar qual das duas tem mais fit com o seu produto ou serviço. 

Conhecendo profundamente as duas metodologias, você consegue diferenciar claramente os modelos e aproveitar as vantagens de cada um. Além das aplicações para que sua estratégia de vendas escolhida seja sempre frutífera. É sobre essa diferença que baseamos o post de hoje. 

Você sabe o que é Outbound Sales? 

Essa metodologia de prospecção ativa consiste em centralizar as ações nas mãos do vendedor, o tornando mais do que um simples ponto no time comercial. Ele passa a ser um verdadeiro alicerce para todo o processo de vendas.

No Outbound, o vendedor é responsável pelo primeiro contato com todas as pessoas e é ele quem aplica todo e qualquer filtro na hora de conversar com o lead. Esse processo é chamado de cold call – afinal de contas, são ligações frias, em que o prospect pode não ter muito a ver com a empresa. 

Essa metodologia consiste em uma abordagem sistêmica por parte do vendedor. Geralmente, especialistas em Outbound possuem um grande aproveitamento em suas equipes, já que não possuem dados quentes e nichados dos leads e, mesmo assim, convertem vendas. Eles estão falando com um público que pode não estar apto a comprar o produto ou serviço. 

Desvantagens do Outbound Sales

  1. Contatos frios (cold calls) que prejudicam a longevidade da relação do vendedor com o lead, já que o “importante” para o vendedor é única e exclusivamente a venda.
  2. Informações e métricas quase inexistentes, pois os leads não passam por filtros de dedicação e pontuação, classificados apenas em venda ou não venda.
  3. Perda de tempo, já que seu vendedor pode fazer uma reunião por dia, de segunda a sexta, e não fechar nenhum negócio (tendo em vista que os leads podem não ser qualificados).
  4. Perda de dinheiro, pois seus vendedores estarão realizando reuniões sem atingir os objetivos.

E as vantagens?

Apesar dos pontos negativos apresentados acima, a prospecção ativa que os vendedores de Outbound Sales realizam pode fazer eles estudarem mais sobre cada prospect (principalmente durante o contato), e ele pode se tornar um verdadeiro expert em assimilar dores, medos, crenças, desejos e sonhos de cada lead. 

Isso facilita todo o processo, pois o vendedor vai criando um discurso mais empático. Além de criar uma melhor impressão da empresa para o prospect em questão. 

Além disso, da mesma forma que seus vendedores podem não efetuar uma venda sequer em uma semana cheia de reuniões, eles também podem usar todos esses fatores a seu favor e melhorar suas ferramentas de discurso, sempre que estiverem afiados. 

outbound-sales

Quais são as diferenças entre Outbound e Inbound?  

Embora pareçam duas formas de vendas completamente diferentes, o Inbound e o Outbound Sales têm pontos muito parecidos em suas construções como ferramenta. Porém, o que distingue um do outro é a abordagem do vendedor como instrumento de venda para a empresa. 

Considerando a jornada de compra e as demandas de cada vendedor, você deve pensar no lead como um facilitador desse trabalho. Ou seja, quanto mais entregue ao vendedor estiver o lead, mais dinâmico e simplificado será o trabalho. 

Isso não acontece no Outbound. Neste caso, o vendedor deve ir atrás de informações e retirar, sozinho, o máximo de dados que conseguir do prospect que está do outro lado da linha. Para que ele siga pelo funil com precisão e que a caminhada seja sempre em direção ao fechamento do negócio, o Inbound acaba sendo uma ferramenta mais prática. Desse modo, registra todos os pontos e entrega ao vendedor sempre os melhores leads, com mais fit para aquele momento. 

Uma das principais diferenças entre duas abordagens é a longevidade do ciclo de venda de cada lead. No Inbound, ele é mais longo, propositalmente, pois o lead vai passando por várias etapas até que chegue ao vendedor, e o vendedor também segue algumas etapas durante o processo de conversão. No Outbound, o ciclo é menor, já que os leads estão “no escuro”. 

O que compete a ambas estratégias? 

Não importa a estratégia escolhida. Você deve sempre possuir um funil de vendas estruturado para que seus times de marketing e de vendas sejam alinhados. E dessa forma consigam entregar estratégias bem definidas, que captam leads e qualificam.

Você também deve investir na capacitação dos seus vendedores. Eles devem ter consciência sobre aquilo que estão realizando em suas funções. Também devem conhecer as formas de melhorar e afiar suas ferramentas. Um discurso humanizado e personalizado. Nesse sentido, deve-se criar uma boa relação com o lead e, com certeza, trará bons resultados para a sua empresa. 

Agora que você conheceu melhor o mundo do Outbound Sales, nós preparamos um post para que você. Tire todas as suas dúvidas e escolha qual a melhor solução em vendas para a sua empresa. Confira a leitura complementar: 5 táticas de Inbound Sales para sua empresa. 

Leia mais
Inbound Marketing

Atrair, converter e fidelizar: como potencializar cada etapa do inbound marketing?

etapas do inbound marketing

Inúmeras estatísticas provam que o inbound marketing é a melhor maneira de gerar negócios na internet. Tanto é, que 81% das empresas investem nessa estratégia para potencializar os negócios.

Embora seja uma maneira eficaz e bastante atrativa do ponto de vista financeiro, nem sempre o inbound gera os resultados que você gostaria. É neste momento que você precisa avaliar sua estratégia e desenvolver maneiras ainda melhores de potencializar cada etapa do inbound marketing.

Que tal conferir algumas dicas? Siga com a leitura!

Atração

Atrair visitantes é a primeira etapa do inbound marketing. Nela, é preciso lançar mão de uma série de táticas que tenham por objetivo central despertar o interesse de pessoas que ainda não conhecem a sua empresa. Nesse sentido, você pode:

Crie conteúdos básicos

Conteúdos básicos são aqueles que abordam um dado tema de forma superficial, dando uma visão geral sobre ele. A ideia é despertar o interesse do internauta para que ele queira saber mais a respeito do assunto.

Diversifique os tipos de conteúdo

Um blog post pode se transformar em um podcast, um infográfico ou em uma série de pílulas de conhecimento a serem enviadas por WhatsApp. Um e-book pode servir de base para um vídeo e, posteriormente, para um curso mais completo.

Esse reaproveitamento de conteúdo não só facilita o trabalho da sua equipe como também potencializa a etapa do inbound marketing responsável pela atração, já que atende ao perfil de consumo de conteúdo de várias pessoas ao mesmo tempo.

Faça curadoria de conteúdo

Curadoria de conteúdo é o processo de buscar, selecionar e compartilhar conteúdo de outras fontes de informação. Você pode replicar esses conteúdos no seu blog corporativo ou nas suas redes sociais.

A curadoria complementa a produção de conteúdo próprio, poupa recursos e gera mais valor para a sua audiência, que se torna mais engajada.

Converter

A conversão de visitantes em leads e leads em clientes é a segunda etapa do inbound marketing e a mais difícil de potencializar resultados. Seu objetivo é fazer com que as pessoas queiram se relacionar com a sua marca e comprem dela. Por isso, é fundamental gerar valor a cada ponto de contato com a sua audiência. Experimente essas dicas:

Aplique o copywriting

Copywriting é uma técnica de escrita persuasiva que tem por objetivo levar o leitor à ação. O texto traz um encadeamento de ideias que apresenta um problema, um contexto e uma solução, criando identificação com a pessoa que o lê.

Se anda faltando estímulo para que os seus visitantes sigam adiante na jornada de compra, o copywriting é um grande aliado na etapa do inbound marketing que mais demanda uma decisão por parte do consumidor.

Invista em UX Writing

A escrita UX é uma técnica que tem por objetivo deixar as mensagens mais claras para as pessoas que visitam um site ou landing page, por exemplo. Ela é aplicada a botões, calls to action (CTAs) e elementos descritivos, visando melhorar a experiência do usuário.

O UX Writing caminha lado a lado com o UX Design, pois ambos oferecem uma visão mais completa de toda a interação das pessoas com suas plataformas de conversão.

Capriche nas landing pages

É difícil converter visitantes em leads e leads em clientes sem ter boas páginas de conversão. Portanto, analise suas landing pages atuais e verifique o pode ser melhorado em cada uma delas.

Os textos são descritivos? As CTAs são chamativas? Os botões funcionam? Os formulários são enxutos? Conte com profissionais experientes para desenvolver esse tipo de solução!

Fidelizar

Depois de conquistar um novo cliente, o mais importante é não deixá-lo ir embora. Afinal, um cliente satisfeito retorna mais vezes, faz recomendações e se torna um defensor da marca. Nessa etapa do inbound marketing, não pode faltar:

Crie e compartilhe conteúdo especializado

À medida que você vai conhecendo melhor cada cliente, é capaz de criar e compartilhar conteúdos cada vez mais personalizados. Essa estratégia gera mais valor para o consumidor e estimula o engajamento com a sua marca. Portanto, nada de conteúdo mais do mesmo! A ideia é ser útil e relevante a cada conteúdo compartilhado!

Ofereça algo único

As pessoas gostam de se sentir valorizadas, especialmente quando se dedicam a uma determinada marca. Dessa maneira, procure reconhecer aqueles clientes mais fiéis oferecendo algum diferencial.

Pode ser um brinde, um mês de assinatura grátis, um desconto ou qualquer outro tipo de vantagem. Faça-os se sentirem únicos!

Seja relevante

É comum algumas empresas caírem no erro de enviar apenas ofertas de produtos e serviços para clientes já convertidos. Entretanto, sabemos que cada produto e cada serviço possui um ciclo de vendas. Em outras palavras, não dá para vender um televisor de 50 polegadas todos os dias para a mesma pessoa.

Isso não significa que você deva perder o vínculo com esse cliente e só retomar o diálogo quando ele procurar sua empresa novamente. Continue alimentando-o com informações importantes sobre o seu segmento, como novidades e tendências.

Dessa forma, essa etapa do inbound marketing se torna uma alavanca para novas interações e novas vendas.

Pronto para atrair, converter e fidelizar ainda mais? Saiba por que você deve usar um CRM na sua empresa!

Leia mais
Inbound Marketing

5 táticas de Inbound Sales para sua empresa

taticas-inbound-sales

O Inbound Sales tem sido um tema recorrente aqui no nosso blog – e não é por menos. Segundo a Forrester Research, empresas que investem em nutrição de leads geram leads até 50% mais qualificados, gastando 33% menos dinheiro.

E por que isso acontece?

Simples: juntas, as técnicas de Inbound Marketing e Inbound Sales criam um espaço ótimo para trabalhar com leads de uma forma natural e espontânea, e ao mesmo tempo friamente calculada. Ou seja, uma boa estratégia permeando o relacionamento, que é calcado na relação mais humana e personalizada possível. 

E você, vai continuar ficando por fora dessas técnicas tão ricas? No post de hoje, separamos algumas táticas de Inbound Sales que você pode aderir à sua empresa. 

Inbound Sales não existe sem escuta ativa.

Sim, escuta ativa pode parecer algo chato de se fazer, até porque o mais comum, principalmente no meio digital, é formamos uma opinião antes mesmo da informação chegar até nós.

No Inbound Sales, a escuta ativa é a primeira, segunda e terceira arma do vendedor. Seu lead precisa se sentir ouvido durante toda a ligação, e não pode ser interrompido. Suas frustrações, seus medos e inseguranças estarão facilmente expostas ali. A partir disso, o vendedor se posiciona como um “conselheiro”, e ouve tudo o que o lead tem para dizer. 

Porém, ele também deve traçar sua estratégia de acordo com os comentários, preocupações e dores que o lead vai apresentando. É um trabalho entre o vendedor e ele mesmo, em transformar todo o “material rico” que o lead está entregando em algo que possa ser revertido, e entregue ao lead como solução rápida e prática

Escuta ativa não existe em… Copywriting!

A técnica de Copywriting não serve apenas para textos, páginas de lançamentos e infoprodutos. O Copywriting consiste em um mapeamento que quebra objeções através da persuasão.  Logo, uma ferramenta poderosa para um vendedor empurrar o lead na jornada de compra.

Quanto mais conhecimento sobre o funil apresentado o vendedor tiver, mais fácil será de realizar construções de enunciados e estratégias de prospecção com Copywriting. Até mesmo porque, definido um público ideal, seus vendedores estarão sempre “vendendo” para a “mesma pessoa”, falando grosseiramente. Então, podemos partir, sim, do princípio de que as objeções que seu time de vendas vai lidar serão sempre muito parecidas. 

Não adianta ser só bom no gogó. O lead também deve ajudar. 

Quê? Nós sabemos que você deve estar pensando que o pessoal do Bulldesk está louco, ou talvez até pedindo demais. 

Na realidade, o lead deve sim, ajudar a realizar a venda. Digo isso porque, se você está prospectando para o lead correto, a venda não será um esforço – pelo contrário. Ela será um processo de persuasão e convencimento mais tranquilo, sem grandes movimentos para transformar o tal lead em um possível comprador. Ele já é um possível comprador antes mesmo do primeiro contato

Uma boa forma de definir leads e mapeá-los de acordo com suas qualificações é utilizando o Lead Scoring. Essa ferramenta consiste em segmentar leads por “notas”, tornando o processo mais fácil. Dessa forma você pode “escolher” o lead que está mais propenso a aderir ao funil de vendas e à jornada de compra. Assim, essa pontuação vai aumentando ou diminuindo, e você vai sempre tendo a informação clara sobre quem está mais propenso a fechar com você. 

Vendedor é consultor. Ele não é obrigado a vender! 

Metas, planejamentos, esboços, desenhos na parede, fluxos de caixa, perspectiva de faturamento, cursos, treinamentos, planilhas, ligações, informações do lead, número de telefone, e-mail… Calma. 

Isso tudo faz parte da rotina do seu vendedor. Enfiar ainda mais coisas goela abaixo vai acabar atrapalhando mais do que ajudando. A partir do momento que você define uma boa estratégia de Inbound Sales, você vai transformar seu vendedor em consultor. E se ele for realmente dedicado, irá fazer seu trabalho bem feito, pois todas as ferramentas estão entregues em suas mãos.

Não precisa obrigar o seu vendedor a vender. Talvez, ele não realize nenhuma venda naquela tarde. Contudo, as duas ou três ligações com aquele lead quente, mas ainda não tão qualificado, se tornem, posteriormente, vendas super simples e fáceis de serem realizadas. Paciência, gafanhoto! 

Just Wait Stephen Colbert GIF by The Late Show With Stephen Colbert

CRM. Pra ontem! 

Com uma boa ferramenta de CRM, você consegue ir muito além de um simples contato com o lead. O software deve oferecer uma gestão de clientes em 360º, tornando os processos práticos e intuitivos para sua equipe de vendas. 

Inbound Sales: sua empresa merece

Leia e releia esses pontos com atenção, pois são fundamentais para quem decide aderir ao Inbound Sales. Não há implementação de nenhuma dessas táticas sem esforço, pois elas são intrínsecas a uma boa estratégia de Inbound. 

Porém, se for para facilitar a vida do seu time comercial, melhorar sua taxa de conversão e deixar seus leads e clientes mais felizes. Nós apostamos que vale a pena. E você? 

Ah, deixamos a melhor notícia pro final. O Bulldesk tem o software perfeito para colocar isso tudo em ação na sua empresa. 

Leitura complementar as táticas de hoje: Implemente sua estratégia de Inbound Sales com o Bulldesk!

Leia mais
Inbound Marketing

Implemente sua estratégia de Inbound Sales com o Bulldesk!

estrategia-inbound-sales

Sempre que iniciamos um texto aqui no blog sobre Inbound Sales, a primeira ordem é: vale falar, mais uma vez, que todo mundo já passou por algum perrengue com vendedor?

E a resposta acaba sempre sendo positiva: sim, vale a pena. Porque a forma como mundo das vendas se desenvolveu, dos primórdios até alguns anos atrás, não foi exatamente a melhor. Porém, se não tivéssemos atravessado milhões de ligações com vendedores “insistentes”, sem estratégia e efetuando as famosas cold calls, não teríamos novos métodos de vendas positivos, como é o caso do Inbound Sales

O que é Inbound Sales?

O Inbound Sales tem como princípio criar uma experiência que se baseia praticamente no oposto do que se costuma fazer.  Primeiramente, você é seduzido de alguma forma a chegar até a empresa, seja por anúncios em uma rede social, seja pela forma como ela se comunica, que chama atenção, ou até mesmo pela sua busca da solução de um problema que enfrenta. 

Só depois de todo esse processo – que pode levar semanas e até meses –, você pode receber um contato ou tomar a iniciativa, e saber “mais” do que os meros mortais seguidores. E pronto: você provavelmente fará uma reunião comercial e vai adquirir a solução dos seus problemas sem que “nem perceba”. 

Sim, vale lembrar que um dos pilares que sustenta o Inbound Sales é que o processo ocorra de forma natural, desde a sua chegada até a sua compra.

Isso tudo que detalhamos aqui é, nada mais, nada menos, que um processo que pode ser explicado de forma muito simples: 

  1. você, procurando solução;
  2. vira lead de uma empresa X;
  3. consome a estratégia de Inbound Marketing da empresa; 
  4. entra no funil de vendas;
  5. conversa com um vendedor;
  6. vira cliente, estatística e aumenta a taxa de conversão. 

O que o Inbound Sales faz pela sua empresa?

Antes de optar por formar uma equipe de Inbound Sales, é preciso compreender todos esses pilares que constituem essa grande estratégia de vendas. 

O significado de Inbound Sales pode ser vasto, mas consiste, basicamente, em fazer com que sua empresa seja encontrada de forma natural por aqueles que são seus consumidores.

Ele só acontece quando há um alinhamento minucioso das equipes de Marketing e Vendas. Eles devem reunir seus pequenos “mundos” em torno de um único objetivo, que é trazer os melhores leads possíveis – ou o mais preparados – para adquirirem o seu produto e/ou serviço.

High Five Team Work GIF

O objetivo desse processo é melhorar o rendimento de equipes. O resultado das empresas e seu foco está 100% nesses dois conceitos. O tempo que um vendedor perdia, antes, ao realizar vendas “atirando no escuro” e sem ter informações mínimas sobre quem estava do outro lado da linha fez com que profissionais fossem afinando as estratégias digitais para que o trabalho fosse facilitado. 

Mas, a pergunta de um milhão de dólares sempre chega: afinal de contas, quanto isso custa para minha empresa?

Inbound Sales: o que preciso para implementar minha estratégia?

Primeiro, você precisa ter uma. Para desenvolvê-la, é necessário unir suas equipes, deixar claros os objetivos e traçar planos de metas para implementação de vendedores capacitados. Outro ponto importante é que trabalhem lado a lado com sua equipe de Marketing. 

Além disso, existem formas que facilitam esse trabalho. Ferramentas de CRM e Automação, por exemplo, conseguem fazer uma grande parte do trabalho. Desse modo, você junta dados e informações preciosas e poupando o seu tempo na hora de montar as temidas (e infinitas) planilhas. 

Uma boa ferramenta de CRM para vendas deve:

  • agrupar todas as informações de venda, para um monitoramento constante;
  • utilizar o lead scoring para encontrar os melhores clientes para seu time de Inbound Sales;
  • criar campanhas de e-mail marketing divulgando seus empreendimentos;
  • permitir o acompanhamento de todo o processo comercial em um único lugar;
  • mensurar os seus resultados, criando espaço para que você veja o que funciona melhor para seus vendedores;
  • automatizar marketing e processos (que, honestamente, ninguém tem tempo de gerenciar);
  • usar e-mail marketing para construir sua marca, de modo que seja referência para seus clientes e leads;
  • criar campanhas que comecem por e-mail, SMS ou WhatsApp.

Adaptação não é esforço, é investimento.

Para que seu time de Marketing produza materiais que sejam interessantes e atraiam seu público “ideal”, é preciso adaptação. Também é necessário exigir o mesmo do seu time de Vendas. Falamos um pouco disso no post Como deixar seu time de vendas afiado no Inbound Sales.

Todos os pontos que levantamos acima podem parecer trabalhosos. Porém, você consegue reunir grande parte desses benefícios em uma ferramenta só. Aproveite o trial gratuito do Bulldesk e comece a testar a plataforma hoje mesmo!

Leia mais
Inbound Marketing

7 características de uma boa ferramenta de inbound marketing

pessoas em frente ao pc

Ter uma boa ferramenta de inbound marketing significa menos trabalho braçal e mais tempo dedicado ao relacionamento com seus clientes. Mas como escolher um software que atenda a todas as necessidades da sua empresa e proporcione mais retorno sobre o investimento?

É o que você confere neste post!

1. Acompanhamento do cliente do início ao fim

Toda ferramenta de inbound marketing deve trazer recursos que possibilitem o monitoramento de leads e clientes desde o primeiro contato.

É a partir desse mapeamento que seu time de marketing vai conhecendo melhor a audiência, do que ela gosta e como se relacionar com ela. Dessa forma pode oferecer conteúdos personalizados.

2. Automação de marketing

Automação de marketing quer dizer colocar algumas ações. Como por exemplo, o envio de e-mails ou oferta de informações, no piloto automático. E essa, sem dúvidas, é a essência de uma boa ferramenta de inbound marketing.

Verifique se é possível criar e-mail marketing, fluxos de nutrição, landing pages e minissites para ações específicas. Confira, ainda, se é possível disponibilizar materiais para download, como infográficos, whitepapers e ebooks.

3. Usabilidade

Operar um software de inbound marketing deve ser algo simples e intuitivo, sem complicação. Se existem muitos pormenores, sua equipe pode pular etapas importantes na hora de configurar campanhas e gerar relatórios.

Sendo assim, peça sempre um teste grátis da ferramenta e aproveite o período free para usar e abusar. Ou seja, quanto mais você conhecer o software, mais segurança terá na hora de fazer a sua escolha.

4. Personas

Personas são personagens fictícios criados com base nas informações que você tem do seu público-alvo. Elas servem para direcionar as ações de marketing, tornando-as mais efetivas.

Quando for escolher sua ferramenta de inbound marketing, não esqueça de verificar se é possível cadastrar suas personas e compartilhar essas informações com toda a equipe!

5. Segmentação e personalização de mensagens

A ideia do inbound marketing é, sem dúvidas, ter uma comunicação o mais personalizada possível com cada lead captado.

Sendo assim, é fundamental que a ferramenta de inbound marketing escolhida ofereça vários filtros e opções para segmentar grupos de pessoas e personalizar mensagens.

6. Relatórios e análises

Por fim, a ferramenta de inbound marketing escolhida deve gerar relatórios que permitam analisar todos os dados coletados durante suas ações.

Tráfego no blog, número de cliques em CTAs, taxas de conversão, bounce rate, entre outras informações que permitam analisar de forma ágil e assertiva quais serão os passos seguintes da sua estratégia.

7. CRM integrado

Outra funcionalidade que não pode ficar de fora do seu checklist para a escolha de uma boa ferramenta de inbound marketing é a integração com um CRM (Customer Relationship Management).

O CRM é uma ferramenta específica para o relacionamento com clientes e facilita (e muito!) a vida do seu time de vendas.

Criação e acompanhamento do funil de vendas, agendamento de follow ups, registro de interações e análise dos dados gerados durante e depois da venda, são algumas das funcionalidades que um CRM traz.

Pronto para escolher a melhor ferramenta de inbound marketing do mercado? Então faça um teste gratuito do Bulldesk e comprove todas as funcionalidades!

Leia mais
Inbound Marketing

3 dicas para formar uma equipe de sucesso no Inbound Sales

equipe-de-sucesso

Criar uma equipe de sucesso que trabalhe com vendas pode não ser tarefa fácil. Afinal, você trabalha diretamente com pessoas e muitas delas fogem quando sabem que você é um vendedor. Isso não é algo completamente estranho, se pararmos para lembrar como eram feitos os processos de vendas até 10, 15 anos atrás – e como as equipes de vendas se formavam. 

Com a popularização dos telefones, principalmente na década de 1990, um cenário muito comum eram vendedores andando nas ruas, batendo de porta em porta, ou trabalhando com listas telefônicas e ligando para milhares e milhares de números todos os dias. 

Hoje, sabemos que essas eram técnicas que funcionavam na época – e todos nós já fomos “vítimas” de vendedores com boas técnicas, lábia e que, sem recursos, conseguiram fazer verdadeiros milagres. 

Porém, a tecnologia vem a nosso serviço, e novas formas de vender foram sendo construídas ao longo dos anos. Com a chegada do Inbound Sales, por exemplo, o trabalho dos vendedores foi, de certa forma, reduzido. Contudo, para que você seja um bom vendedor e tenha destaque no meio de tantos, é preciso se preparar muito. 

Afinal de contas, o que uma equipe de sucesso de Inbound Sales irá encontrar no ambiente de trabalho e o que esse profissional necessita para ser considerado bom? 

Nós separamos três dicas. É hora de pegar papel e caneta. 

Inbound Sales não é a “forma mais fácil de vender”

Esse pensamento é muito comum em empresas, principalmente de tecnologia, que buscam ferramentas (a todo o tempo) que facilitem processos e fluxos de informação. 

Não tem nenhum problema nisso. A questão aqui é entender que facilitar não significa transformar em algo que não exige esforço. Outro ponto é que a técnica de Inbound Sales não consiste em contratar e capacitar vendedores

Não é porque o seu vendedor recebe informações muito importantes e precisas de ferramentas de automação que ele será apenas um contratado para ligar e efetuar vendas.

Infelizmente, os processos de vendas, uso de ferramentas nos diálogo e técnicas específicas para públicos diferentes não estão suspensos. Seu vendedor deve saber trabalhar com leads, tratá-lo de acordo com o seu estágio no funil e sempre estar ciente de quão qualificado ele está. 

Vendedor Inbound não faz milagre em uma equipe de sucesso

Imagina a seguinte cena: você contratou uma porção de vendedores para tocarem as suas estratégias de Inbound Sales e deu tudo certo. Você nem precisa mais ir à empresa e o setor se autogerencia sozinho. 

Parece utópico, certo? Não é apenas uma aparência. Vendedores são funcionários como quaisquer outros. Para que você exija alta performance, bom rendimento e funcionalidade na hora de transformar as taxas de conversão da sua empresa, você precisa educá-los

Um bom vendedor deve estar constantemente participando de treinamentos e trabalhando com objetivos e metas concretas. E isso não partirá dele mesmo. É necessário que ele seja amparado por um gestor preparado, que seja parte do frontline da empresa. Além de proporcionar uma vivência do negócio junto destes objetivos e metas. 

Dessa forma, criar um setor especializado em Inbound Sales se torna uma tarefa mais simplificada. E você verá, dia após dia, seus vendedores fabricarem resultados. 

Determine os perfis ideais de prospecção

Se eu disser que determinar o perfil do seu lead ideal pode fazer você contratar vendedores melhores, você acredita? 

Determinar o perfil do seu lead pode fazer você contratar o vendedor ideal, pois ambas as delimitações são pautadas por características que se conversam. As habilidades que seu lead tem, seus costumes e hábitos podem (e devem) ser de conhecimento do seu vendedor. Além disso, ele deve ter uma posição empática perante o lead para que tudo funcione da melhor forma possível. 

Além da contratação, o vendedor deve passar por treinamentos desde o início de sua função. Cursos de imersão no negócio da empresa, testes e feedbacks são parte da rotina dos vendedores, já que eles são responsáveis pela entrada de clientes. Ou seja, algo que será atrelado a todos os setores da empresa no futuro. 

Uma leitura complementar sobre equipe de sucesso pode ser feita no post Como deixar seu time de vendas afiado no Inbound Sales.

Leia mais
Inbound Marketing

Dê um upgrade no seu time de vendas. Transforme-o em Inbound Sales!

time-de-vendas

Quando falamos de Inbound Sales x Outbound Sales, a polêmica sempre surge: por qual devo optar para o time de vendas e o que cada um implica no meu negócio?

Um dos cenários mais comuns que vemos em empresas que trabalham com vendas, são profissionais que não se adaptaram às demandas do novo consumidor, ao uso da internet e ao impacto que a tecnologia trouxe para quem vive o mundo digital. 

Usar o Marketing Digital a favor da empresa também significa ver seus vendedores prospectarem de forma mais consciente, com maior foco no resultado e trazendo um faturamento mais tangível. Essa é a proposta do Inbound Sales.

O Inbound tem como estrutura uma venda mais moderna, que usa a proatividade dos vendedores para atingir leads mais qualificados, prontos para o produto que você vende e que têm algum tipo de interesse no seu negócio. E isso já é 50% do que você precisa para converter. 

Por que escolher Inbound Sales?

Quando falamos das tarefas de um vendedor nos moldes antigos, vemos um profissional que angariava diversas capacidades em um só processo, já que o vendedor deveria levantar uma lista de possíveis clientes, realizar uma estratégia de abordagens para qualificá-los (literalmente educando cada lead, dia após dia), para só depois utilizar técnicas de argumentação e persuasão para quebrar objeções do (ainda) lead. 

Eu não sei você, mas eu fiquei exausto só de pensar nisso. Imagina fazer, certo?

A realidade é que a forma tradicional de venda exige muito do vendedor – e não estamos falando em termos técnicos. Essa é a parte interessante de migrar do Outbound pro Inbound: seus vendedores continuam trazendo e incorporando técnicas, mas toda a parte que antecede a venda foi reduzida para um melhor aproveitamento de cada lead. 

Com uma boa estratégia de Inbound Marketing, sua empresa vai gerar leads mais qualificados e entregar “o ouro” na mão da equipe comercial, que dará continuidade à estratégia de Inbound. Assim, o processo de compra vai ser guiado de forma em que a taxa de conversão seja cada vez maior – e o seu lead estará conversando com um vendedor, mas terá a impressão de estar lidando com um consultor, que soluciona os problemas, dores e angústias que o trouxeram até sua empresa em primeiro plano. 

Como o time de vendas de Inbound Sales age? 

De forma diferente do Outbound, em vários aspectos: primeiro, seu vendedor Inbound não jogou a rede no mar. Quem fez esse serviço foi o pessoal do Marketing. Seu vendedor apenas pega o peixe, o recebe e o limpa, qualificando-o para o momento ideal

A metáfora pode ser bobinha, mas a realidade é que o vendedor realmente age como um consultor, e oferece as soluções que o lead necessita. Através do produto/serviço oferecido pela sua empresa, o vendedor identifica o que o lead busca, quais problemas atravessa, que situações gostaria de melhorar – e realiza a venda deste grande “remedinho” que é o seu produto. 

E se o lead não for dos melhores?

Seu vendedor especialista em Inbound Sales também sabe dizer qual é o melhor lead e em qual estágio ele se encontra, afinal, ele vai guiá-lo por cada etapa do funil

É muito comum que um lead ou outro não esteja qualificado da forma como todos esperam. O vendedor irá identificar isso facilmente e irá devolvê-lo para o Marketing com uma tarefa: é hora de o lead ser mais nutrido, desenvolver mais consciência sobre o problema que busca resolver, afiar as ferramentas e, assim, se moldar até ter um fit maior com o que sua estratégia de Inbound Sales busca. 

Benefícios de transformar sua equipe Outbound em Inbound Sales:

  1. Melhores práticas de equipe de vendas, focando mais na taxa de conversão e menos na qualificação do lead.
  2. Times mais assertivos, realizando mais vendas e batendo mais metas. 
  3. Equipe em constante desenvolvimento, lidando com produtividade alta e fechando mais negócios.
  4. Reuniões mais bem posicionadas, já que os leads já estão propensos a comprar o seu produto.
  5. Treinamentos e cursos direcionados ao Inbound, uma área que está em constante atualização.
  6. Possibilidade de trabalhar com métricas mais previsíveis, trazendo amplitude para planejamentos a curto, médio e longo prazos com o dinheiro da empresa.

Ainda não se convenceu e quer pesquisar mais sobre como melhorar o seu time de vendas? Uma leitura complementar ao post de hoje é “3 dicas para formar uma equipe de sucesso no Inbound Sales”. 

Leia mais
1 2 3 4